70% dos estados já sofreram ataques em instituições financeiras e caixas eletrônicos somente no primeiro semestre de 2018

Há pouco tempo se pensava que investir em alta segurança em instituições financeiras e terminais bancários eletrônicos era uma necessidade somente de cidades grandes e metrópoles.

O que se vê hoje é um cenário bem diferente, a forma de atuação dos grupos criminosos mudou e hoje eles miram nas cidades do interior com pouco efetivo policial. Chegam em caminhonetes, portam armas longas e agem rapidamente utilizando dinamites. Após a explosão recolhem o dinheiro e fogem.

A Secretária de Segurança Pública de São Paulo mostrou que casos como esses aconteceram 57% das vezes justamente em cidades do interior. O uso de explosivos, que é marca desse tipo de ataque se tornou frequente, aumentando em 10% os casos somente nos dois primeiros meses de 2018.

Considerando o período de janeiro de 2015 a março de 2018 foram 545 ataques a bancos e caixas eletrônicos em São Paulo. Os ataques acontecem principalmente de madrugada em agências bancárias e terminais de autoatendimento localizados fora dos bancos, em shoppings, supermercados e postos de gasolina.

Período extremamente crítico

Recentemente relatórios da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Segurança Privada foram divulgados e trazem dados alarmantes. Explosões de caixas eletrônicos e arrombamento de casas lotéricas e unidades dos Correios são os principais ataques realizados por quadrilhas especializadas e que possuem um poderio bélico bem sofisticado (metralhadoras antiaéreas, fuzis, explosivos e carros blindados estão entre eles).

Os crimes contra instituições que movimentam dinheiro atingiu a marca histórica de 1276 casos no primeiro semestre de 2018. O aumento chega a 17% no número de ataques na comparação com o mesmo período do ano anterior, que já havia sido considerado pela confederação como “extremamente crítico”.

Situação no Rio de Janeiro é ainda pior

No estado do Rio subiu de 1 para 10 o número de assaltos a banco na comparação desse ano com o primeiro semestre do ano passado. Também no período de 2018 foram registrados 49 assaltos a caixas eletrônicos.

Os ataques às agências dos Correios subiram de 75 no primeiro semestre de 2017 para 151 no mesmo período de 2018, aumento de 101%. Nas casas lotéricas o número de ataques subiu de 78 para 129.

Não seja mais uma vítima da violência

Desestimular os meliantes com segurança de verdade é a nossa palavra de ordem. Infelizmente hoje 95% dos cofres que existem no mercado são cofres comuns, e eles não oferecem segurança alguma. Empresários e até mesmo instituições financeiras muitas vezes investem de forma errada em segurança ao procurar somente por preços mais baixos.

Como a empresa de cofres de alta segurança mais antiga em atividade do Brasil, trazemos na bagagem o grande diferencial de realmente nos preocuparmos com a sua segurança. E é por isso que desenvolvemos cofres de alta segurança que possuem resistência contra ataques dos mais variados tipos, inclusive maçarico e explosivos.

Em 48 anos de mercado, nunca um de nossos produtos de segurança máximo foi arrombado.

Seu negócio está realmente protegido? Conheça nossas soluções e entre em contato conosco.

Com informações de CONTRASP, Estadão e G1.

 

 

Compartilhe: